Zenilda Lua - 13 de Maio de 2016 - (1013 já leram)

É hora de almoço... Por Zenilda Lua

A criatura sinistra faz rondas repetidas. 

Mendiga admiração e toma comprimido para dormir.

Maldiz com elevado ódio os contemplados do  Bolsa Família, os sem-tetos, os sem-terra e,  demonstra muito orgulho dos parentes que estudam no ITA e na USP.

Nunca ouviu um poema de Drummond.

Não leu Crônicas nem Cora.

Assiste prazenteiro e alienado a queda da democracia e comemora soltando fogos de artifícios e falando palavras vãs.

É peemedebista, mas queria ser Brigadeiro ou gerente de Associação Militar.

Ignora minha paciência para seus comandos, minhas dúvidas e tensão pelo tempo de crise e barbárie e, digitando a própria solidão, emite parecer sociológico sobre a conjuntura política atual.

Ao mínimo de alegria que atribuo a Deus nessas horas, fazer silêncio de morte ainda é um imenso barulho.

Penso nas crianças e choro.

Zenilda Lua

Publicidade