Genival Júnior - 26 de Abril de 2017 - (778 já leram)

Qual o atual perfil do político brasileiro

Como resultado do atual momento de crise no caráter e na credibilidade dos nossos políticos, o cidadão brasileiro vem se ressentindo atualmente, de uma grande ausência de confiança, na sua relação com a classe política, uma vez que a corrupção continua sendo a palavra da moda.

Em todo o território nacional, são 57.931 vagas de Vereador, 1.041 deputado estadual ou distrital, 513 vagas de deputado federal e 81 para senador, totalizando 59.566 cargos só no poder legislativo.

No poder executivo, são 5.568 prefeito e vice, totalizando 11.136 cadeiras, 27 governadores e 27 vices governadores, totalizando 54 assentos, além de um Presidente da República e um Vice-Presidente, que ao todo representam 11.192 espaços e 70. 758 cargos nos dois poderes, através do voto direto.

P grande problema dessa realidade é que vivemos um período em que a palavra da moda passou a ser corrupção, pois podemos dizer que nenhum dos atuais governantes do nosso povo detém a confiança plena de seus munícipes onde as práticas administrativas mostram avanços e não um desserviço ao povo.

A falta de transparência nos serviços essenciais como educação e saúde, o superfaturamento de obras, que são ações importantes na distribuição da educação e da oferta de aprimoramento profissional, fato que iria proporcionar melhor qualidade de vida ao povo, é algo que não deixa de ser visto com descrédito a cada dia, a principalmente, quando já se cogita um novo cenário político eleitoral, onde o Brasil está sendo governado por um presidente que ocupa um mandato tampão.

Vale a pena ressaltar, que nenhum desses cargos pode ficar com a cadeira vazia e que muitos dessas políticos ontem, pertenciam apenas a base política de algum expoente e tiveram de seus nomes trabalhados para conseguir uma vitória a qualquer custo, muitas vezes ensinando a população a se corromper a todo o custo, por meio de promessas mentirosas.

Hoje em dia, é fato raro encontrar alguém capaz de analisar o perfil e o caráter do candidato, que busque assumir de forma séria o compromisso de combater a corrupção e discutir com a população os problemas sociais do país, do seu estado e do município.

Por isso, precisamos nos atentar que o problema não é votar ou deixar de votar, mas precisamos apostar em mudanças, utilizar os meios que dispomos como cidadãos, a exemplo das redes sociais, atividades de rua e de manifestações ordeiras, sem violência e desrespeito, para mostrar ao povo qual o verdadeiro perfil dos problemas administrativos existentes em nossa volta.

Dessa forma, votar ou não votar, não significa jamais o remédio para fazer um brasil diferente daquele que nós desejamos, mas votar mal, isso sim, será sempre o elemento comprometedor não só da democracia deste país, mas também dos resultados que queremos para ela, um país sem corrupção e sem malandros representando a nossa massa. Que Deus tenha misericórdia do nosso país!!!  

Publicidade