Genival Júnior - 28 de Março de 2014 - (2264 já leram)

Os resultados da pesquisa Consult: Como interpretar uma pesquisa de intenção de voto

A pesquisa de opinião pública apresentada pelo instituto Consult, trouxe a tona a discussão em torno da realidade dos números na Paraíba, com vistas à corrida ao Palácio da Redenção. O resultado mostrou ao meu modo de ver, um alto número de eleitores com tendência de voto, considerando estarmos ainda no processo de pré-campanha eleitoral.

Se comparados os resultados entre a pesquisa espontânea e estimulada, consideramos que na pesquisa espontânea, apenas 33,35% dos entrevistados optaram voto por algum candidato, embora alguns erros técnicos tenham sido verificados, a exemplo de candidatos a presidência da república, casos de Eduardo Campos e Aécio Neves, configurarem no plano de amostras da corrida ao governo da Paraíba. Ou será que Cássio; Ricardo e Veneziano foram citados na preferência para presidente da república?

Detalhes técnicos a parte, o número de 67 municípios atende ao plano de amostragem da Paraíba, mas apresentou um índice alto no universo de eleitores com preferência de voto por algum dos postulantes.

Num universo de 2000 pesquisados, é como se 1.537 pessoas já tivessem demonstrado tendência sobre em quem votar para governador, há mais de 6 meses da eleição. O interessante é que quando perguntados no modo espontâneo, apenas 33,35% sabem em quem votar, o que significa que 43,5% dos eleitores ainda não tem voto consolidado no estado. Isso sem contar aqueles que se declararam brancos, nulos ou disseram realmente não saber em quem votariam.

Para mostrar que o percentual está alto, basta comparar com o número de eleitores declarados nas últimas pesquisas para Presidente da República em todo o país realizadas pelo IBOPE.

Na oportunidade, Dilma Roussef (PT) tem 43%; Aécio Neves (PSDB) está com 15% e Eduardo Campos (PSB), tem 7%. Juntos, eles somam 67% das intenções de voto.

Na Paraíba, em um cenário parecido também com 3 candidaturas, Cássio tem 40,8%; Ricardo 23.9% e Veneziano 12,80% somam juntos 76,85%, ou 9,85% a mais de eleitores definidos se comparado ao cenário nacional.

Em outra amostra da pesquisa presidencial, incluindo os candidatos nanicos, Dilma aparece com 40%; Aécio Neves aparece com 13%; Eduardo Campos 6%; Pastor Everaldo 3% e Randolfe, candidato do PSOL tem 1%. Juntos, eles somaram 63% das intenções de voto, números bem inferiores aos 76,85% verificados na Paraíba.

Vale lembrar que intenção de voto não é voto consolidado, fato que só é considerado quando o eleitor teoricamente já não admite mais mudar de opção.  Sendo assim, o que discerne no momento, é que, o eleitor que tem realmente um candidato no momento atual, sabe responder em quem vota e não fica titubeando na frente do entrevistador, seja qual for o modelo de amostra. Se eu voto em Zé Buchim, sei dizer que meu voto é de Zé Buchim, seja o modo de avaliação espontânea ou estimulada. 

Por isso, essa diferença de resultado entre uma e outra modalidade de avaliação me faz entender duas coisas: A primeira delas é que não temos quase 77% do eleitorado paraibano já sabendo em quem votar em pleno mês de março, e sim, que mais da metade desses na realidade ainda estão indecisos, e tem apenas uma tendência de voto para A, B ou C. E em segundo lugar, as definições que faltam ao estado ainda serão fundamentais na hora de fazer o eleitor entender o cenário político estadual, uma vez que o governo apresentará um grupo forte de candidatos na chapa proporcional e tentará coptar prefeitos do PMDB e do PSDB, para ampliar o seu palanque político depois da dissensão com Cássio Cunha Lima.

Por outro lado, PMDB e PSDB tentarão apresentar a Paraíba os problemas administrativos do Estado, visando fazer cair no desgaste popular a imagem do governador Ricardo Coutinho, como um gestor antidemocrático e incapaz de resolver os desafios da Paraíba.

Certo mesmo, é que a Paraíba está vendo a distância os fatos que envolvem a movimentação política de seus protagonistas, e quando falo em protagonistas, cito aqui Ricardo, Cássio, Veneziano, e seus principais apoiadores em todas as regiões do estado. Com isso, o cenário ainda mostra-se bastante nebuloso, o que pode fazer com que muita água venha a passar debaixo da ponte, e os números de momento possam se modificar a favor de qualquer um dos postulantes ao governo.

Publicidade