Assessoria PMP - 21 de Abril de 2017 - (1426 j leram)

Em nota, prefeitura diz que UPA foi inaugurada de forma irresponsvel e entrar com ao criminal contra ex-diretor

Após tomar conhecimento das declarações difamatórias e caluniosas do médico Eulâmpio Dantas Segundo, que não concordou com o fato lamentável do sumiço de um equipamento de radiologia, entre outras irregularidades, quando de sua rápida passagem como diretor da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Dr. Otávio Pires de Lacerda, inaugurada de forma “irresponsável e intempestiva”, em 21 de dezembro do ano passado, a prefeitura de Patos, Paraíba, para o bem da verdade, recuperou o relatório de fiscalização do CRM-PB, que expõe os motivos que fizeram o Conselho Regional de Medicina requerer a interdição da UPA em 04 de janeiro de 2017. O documento (na íntegra abaixo), diz que o médico mentiu quando informou que a inauguração, naquela oportunidade, era apenas da estrutura física e que não entraria em funcionamento até que estivesse completo o quadro de pessoal, materiais e medicamentos. Ainda, segundo o relatório,  “a Unidade não possuía nenhuma condição de funcionar; que o início do atendimento ao público ocorreu de forma improvisada; e que o diretor técnico da unidade de saúde Dr. Eulâmpio Dantas Segundo CRM/PB 7762 expôs pacientes e profissionais aos mais variados riscos de cunho jurídicos e éticos”. É importante ressaltar que o departamento de fiscalização encontrou, ao comparecer à unidade, várias irregularidades, tais como: “um negatoscópio quebrado, tombado pelo Estado; caixotes que, segundo informações, seriam da radiologia que ainda não estava instalada; na farmácia, uma quantidade pequena de medicamentos e, alguns deles, vencidos; o laboratório não estava funcionando; não havia farmacêutico e nem informação do responsável técnico pela farmácia”. E, como se não bastassem todas essas irregularidades, não foram identificadas, também, “a escala médica e nem prontuário durante o período em que a UPA esteve em funcionamento, e mesmo assim os pacientes foram atendidos”. Na ultima quarta-feira, dia 19 de abril, o CRM/PB voltou à cidade de Patos e, após criteriosa conferência dos equipamentos, instrumentos e medicamentos necessários ao atendimento médico ao público, acabou desinterditando a UPA e autorizando a sua imediata reabertura o que acontecerá na próxima segunda feira, dia 24, às 20h. O prefeito Dinaldo Wanderley Filho entrará com uma ação cível criminal por difamação e calúnia contra o médico Eulâmpio Dantas Segundo, para que os danos causados por ele sejam reparados; assim como encaminhará denúncia ao CRM/PB contra o mesmo, por infrações do código de ética médica.

Coordenadoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Patos

Publicidade