Ricardo Souza - 17 de Outubro de 2013 - (2560 j leram)

Cruz da Menina, turismo e religiosidade no serto paraibano

Por: Damio Lucena/Patos em Revista , edio 2011.

Na dcada de vinte, no sculo XX, chegava a Patos um casal campinense: Absalo Emerenciano e sua esposa Domila Emerenciano de Arajo, trazendo consigo uma criana, filha de retirantes e conhecida apenas por Francisca. A menina lhes fora dada, em uma das maiores secas da histria, como nica forma encontrada por seus pais para livr-la da fome que assolava as famlias nmades, as quais viviam em um verdadeiro estado de misria.

salo teria na Capital do Serto da Paraba uma importante misso a cumprir: executar o funcionamento do motor que fornecia energia para toda a cidade. Sua esposa, por sinal uma mulher de beleza invejvel, trazia consigo um gnio forte e desumano. Pacato como sempre foi, ele aceitava os caprichos reprovveis da companheira, como quem pratica um grande sacrifcio para manter um comportamento exemplar em meio sociedade. A maior vtima da mulher malvada passou a ser justamente a pequenina que era verdadeiramente uma criada, responsvel pela execuo das tarefas de casa. Vivia em uma espcie de priso e passava por constantes sesses de tortura, valendo citar ainda que alm da pancadaria, promovida constantemente contra a indefesa, Domila chegava at mesmo a sentar sobre o seu corpo para entoar msicas, acompanhada de seu violo. Se por acaso no concordava, o homem do motor da luz aceitava as referidas prticas e, aos poucos, a tragdia passava a ser apenas uma questo de tempo.

Em 10 de outubro, de 1923, por volta das 18:00 horas, cumprindo uma trajetria diria, Domila saiu de casa e seguiu ao encontro do esposo, com quem palestrou at s 22:00 horas, momento em que o equipamento fora desligado e os dois regressaram para dormir. Ao deixar a residncia tinha sempre uma frase repetida endereada criana, no sentido de que aps lavar a loua e organizar outros espaos da casa, fosse dormir.

Atrada pela algazarra das meninas de sua idade residentes na ento rua da Pedra, a pobre inocente, aps cumprir a tarefa, abre a janela e fica a contemplar as brincadeiras. O sono bate e, displicentemente, dirige-se para a rede, esquecendo-se de fech-la, o que seria um libi de Domila, para espanc-la de forma brutal, utilizando-se da trave de madeira usada como taramela, culminando com o massacre.

Com o crime concretizado o casal passou a viver um momento terrvel, que, por incrvel que parea, criava-lhe maior preocupao no por conta do assassinato, mas por temer a reao pblica. Naquele momento, em plena madrugada, j era traado o plano de desova e, conseqentemente, a distoro da verdade. Absalo buscava um meio de livrar-se do corpo da menina, contratando uma viagem no caminho de Z Vicente, cujo motorista era conhecido como Hind e morava na mesma artria. Francisca era levada em um saco de estopa e jogada no stio Trapi, em um ponto ermo, sem que o condutor do carro fosse informado ao certo que tipo de misso estaria sendo desenvolvida, j que anteriormente soubera apenas que o casal seguia com destino residncia de amigos para entregar uma encomenda, e, l chegando, lhe orientara a aguardar o retorno em uma estrada vicinal. No dia seguinte, enquanto Domila espalhava que Francisca havia desaparecido, Absalo encenava uma procura frustrada.

Em 13 de outubro, ou seja, dois dias aps o fato, o corpo franzino era localizado pelo rurcola Incio Lazrio, que atrado por urubus e pensando que alguma criao teria perdido a vida, se deparou com os restos mortais da menina Francisca. Tratou de registrar o fato junto ao delegado Antnio Fragoso, que substitua o titular Vicente Jansen, o qual determinou a transferncia do cadver at a delegacia onde foi feito o reconhecimento por membros da comunidade e logo aps o enterro. A essas alturas, os boatos na cidade j no deixavam nenhuma dvida, em meio populao, quanto a autoria do assassinato de Francisca, que teve entre outros ferimentos o crnio fraturado e um dos braos quebrados. Protegido por grandes nomes da poltica o casal no chegou a ser preso, mas no suportando a revolta popular teve que ser transferido para a cidade de Campina Grande.

No local onde encontrou o corpo da criana, o agricultor Incio Lazrio, fincou uma cruz de madeira simples que passou a servir de orientao. As pessoas que por ali passavam, mantendo uma tradio religiosa, rezavam algumas oraes em sufrgio da alma da inocente.

Um certo dia, munido pela f crist, o agricultor Jos Justino do Nascimento, trafegando na rea e meditando sobre a grande seca que abalava a regio, provocando a morte de animais e sofrimentos nos humanos, resolveu rezar um pouco e enderear um pedido a Deus por intermdio da pequena mrtir. Bem prximo do local resolveu cavar uma cacimba e encontrou gua suficiente para salvar seu rebanho. Como pagamento da promessa construiu uma capela, a qual foi inaugurada em 25 de abril de 1929. Vale salientar que o lquido precioso da mesma fonte foi suficiente para tocar a referida obra.

Com o surgimento da Capela comeava tambm a romaria, que mais tarde seria o ponto de maior convergncia de peregrinos e fiis do Estado da Paraba. Entre os possveis milagres atribudos ?Menina Francisca? o mais surpreendente foi narrado por um americano que veio a Patos trazendo uma rplica dos seus ps, na poca em que sofria de uma grave doena. Dona Odlia, moradora do Stio Trapi, que zelou a capela por mais de 50 anos, sempre contava o fato com muita emoo. Segundo ela, ?Este cidado dos Estados Unidos, havia sonhado com a menina, informando que a sua cura estaria nesse ponto de romaria, localizado em Patos e para tanto bastaria que atravs da f prometesse que levaria o ex-voto at o local. Pacto firmado, graa alcanada e promessa paga?.

Somente onze anos depois do crime, o primeiro julgamento do casal veio a se concretizar, graas determinao do Juiz Luiz Beltro, que desengavetou o processo e mandou que os dois fossem presos em Campina Grande. No primeiro Jri que no condenou o casal, ocorrido em 15 de junho de 1934, funcionou na defesa o Advogado Jos Tavares, na acusao o promotor Alfredo Lustosa Cabral e foram jurados: Francisco Oldio Wanderley, Antnio Chaves, Sabino Jos Viana, Virglio Barbosa e Oscar Medeiros Torres. Em 24 de outubro o casal voltou ao banco dos rus, na sesso presidida pelo Juiz Manoel Maia de Vasconcelos. O promotor foi Antnio Dantas de Almeida e na defesa funcionaram os advogados Jos Tavares e Plnio Lemos. Os jurados foram: Laurnio Lauro de Medeiros Queiroz, Jos Caetano dos Santos, Ansio Ferreira Leo, Joo Olintho de Mello e Silva e Alcebades Alves Parente, os quais decidiram pela absolvio, tambm por unanimidade. O ltimo jri aconteceu em 05 de junho de 1935, presidido pelo Juiz Edgar Homem Siqueira, tendo na promotoria Antnio Dantas de Almeida e na defesa os advogados Plnio Lemos e Francisco Wilson da Nbrega. Os jurados foram: Bossuet Wanderley da Nbrega, Pedro da Veiga Torres, Raimundo Pires Braga, Joo Norberto da Nbrega e Jos Permnio Wanderley, prevalecendo a mesma deciso anterior. Mesmo sendo inocentado pela justia, o casal jamais foi perdoado pela populao.

Dcadas depois de inaugurada a capela, a estrutura j no chegava a comportar os ex-votos, provindos de todos os pontos do Brasil, como testemunhos dos mais diversos milagres ou graas alcanadas. Comeava ento uma batalha pela concretizao de um projeto amplo, capaz de abrigar no apenas a religiosidade, como tambm o aspecto turstico, criando divisas econmicas para a Capital do Serto. O ento deputado Federal Edivaldo Motta comprou a briga com o Governo do Estado para a edificao do parque, o que s veio a ser concretizado com o ingresso de Ronaldo da Cunha Lima, no Palcio da Redeno. Em 24 de outubro de 1993 a obra foi entregue cidade, com duas ausncias por demais lamentadas: Dona Odlia, que dedicou sua vida a antiga construo e o parlamentar que mais trabalhou pela sua consolidao. Os dois j haviam falecido.

O ento prefeito Antnio Ivnio Ramalho de Lacerda, responsvel pelas despesas de elaborao do projeto e desapropriao do terreno queserviria de estacionamento, props que a administrao do parque ficasse a cargo da Diocese, o que no foi aceito pela Igreja, sob a alegao de que a menina no era beatificada. Neste momento registrou-se duas contradies: o comportamento de religiosos da mesma organizao, em outros pontos idnticos, usando como exemplo o Padre Ccero Romo Batista do Juazeiro-CE, que como Francisca e os demais candidatos a santo do Brasil no haviam conseguido tal estgio, junto ao Vaticano e a atrao de membros catlicos da prpria cidade de Patos, a partir da construo da Igreja de Santa Cruz, ao lado do Parque, como fruto da iniciativa do padre Jair Jacob Tomasella. Mais tarde, porm, prevaleceu o bom senso, e antes mesmo da concluso do templo catlico, o aceite da Diocese para tocar adiante as atividades do local foi concretizado.

Nos dias atuais, a Igreja j leva a efeito algumas celebraes dentro do complexo, o que no passado, somente o Padre Noronha, de saudosa memria, se arriscava a fazer. Dizia ele: ?Celebro em qualquer canto porque Deus est presente em todo lugar?.

O Parque Turstico Religioso Cruz da Menina composto de um anfi-teatro, cobertura em forma de pirmide que protege a parte central onde esto a capela e duas salas de ex-votos, um restaurante, dez lojas de souvenir, espao para a administrao e posto policial. O ambiente bem arborizado, agradvel e atraente, chegando a ser considerado um dos pontos de maior visitao do Nordeste.

Presume-se que mais de 100 mil pessoas passem pelo parque anualmente e com a realizao de algumas festas tradicionais, a exemplo de Pentecostes, o fluxo vem aumentando consideravelmente. O local tambm parada obrigatria para os romeiros de vrios Estados que se deslocam para o Juazeiro do Padre Ccero, principalmente no final de outubro e incio de novembro.

Alm dos folhetos comercializados no parque, os quais descrevem a histria completa desde a sua origem, em 1993 a Lucena Publicidades produziu um filme em VHS, com a participao de 28 atores e mais de 100 figurantes, com durao de uma hora e onze minutos, sendo que todos os cenrios e artistas so originrios de Patos. Tambm foi editada uma revista, totalmente ilustrada, com todos os detalhes do episdio, alm da disposio para um possvel processo de beatificao junto ao Vaticano.

O Parque tambm se destaca por gerar mo-de-obra e renda. Alm dos artesos e empresrios que l atuam, a populao pobre da Vila Mariana, uma comunidade situada ao lado, encontra ocupao elucratividade na venda de velas e funcionamento de alguns estabelecimentos que comercializam lanches e bebidas.

Para saber mais sobre a histria de Patos adquira a II edio de Patos em Revista. Na publicao da 2 Edio, ?Patos em revista? vem com 260 pginas, informaes e estatsticas sobre todos os setores da Capital do Serto da Paraba, ilustrada com mais de 1.200 fotos, fazendo uma viagem desde o incio do sculo XVII at os dias atuais.

Adquira a revista na Banca Cultura, Banca Catedral e Distribuidora Nbrega em Patos.

O MaisPatos.com estar postando durante os fins de semana ?Fatos e Fotos? que resgatam a histria e a cultura do povo patoense.

MaisPatos.com/Patos em Revista

Publicidade